tapete

Como escolher tapetes (2)

por Cris Campos - 11 de fevereiro de 2011

—-> continuação de Como escolher tapetes (1)

Hoje vamos falar de cores, estilo e manutenção. Mas antes, alguns pontos que devem ser analisados na hora de optar por um estilo ou tonalidade.

  1. O ambiente: Espaços grandes e claros recebem bem tapetes escuros. Já em espaços menores o ideal é optar por peças mais claras, que ajudam a ampliar.
  2. O uso: Em lugares de muito tráfego os tapetes claros vão exigir manutenção mais freqüente, por isso escolha tons mais escuros ou mesclados. Em espaços destinados às crianças opte por modelos fáceis de limpar e em quartos, prefira os de nylon, que são antialérgicos.
  3. O piso: O tapete deve estar em harmonia com o piso sobre o qual vai ficar. Sobre revestimentos mais carregados, como o granito, o ideal são tapetes mais lisos. Também observe a tonalidade, se o piso é bege, branco, cinza, pra escolher cores que combinem. Os tapetes podem ser usados sobre carpete, nesse caso com função apenas decorativa.
  4. Outros elementos: As cores dos tapetes devem estar de acordo com o resto da decoração e podem ser usados para reforçar a base de cores, nos mesmos tons dos sofás e outros móveis, ou contrastar com os elementos principais, dando cor e vida, onde vale usar cores fortes e estampas chamativas.

Num tom parecido com os sofás, emoldurando o ambiente sem criar contrastes. Projeto: Celina Fiuza. Foto: revista Casa Vogue.

Nesse ambiente amplo o tapete escuro se destacou e deixou tudo mais aconchegante. Projeto Karla Silva.

O listrado indiano deu cor e vida ao ambiente de base neutra. Foto: site Casa.

 

Quanto ao estilo, existe uma infinidade de modelos – clássicos, orientais, contemporâneos, de couro, de fibras naturais ou sintéticas, listrados, florais, geométricos, redondos… Podem ser meramente decorativos ou verdadeiras obras de arte. A escolha depende muito do gosto (e do bol$o) de cada um. Os mais usados são:

Os tapetes orientais são atemporais e muitos têm status de obras de arte, são raros, delicados e inteiramente feitos à mão. Sendo assim, combinam com qualquer tipo de ambiente. Ficam harmônicos com decorações clássicas e contemporâneas e criam um bonito contraste em ambientes modernos. Tradicionalmente eles são fabricados na China, Índia, Paquistão, Turquia e Irã. No site Tapetes Orientais eles explicam direitinho a diferença entre cada um. Fotos: revista Casa e Jardim.

Algumas marcas estão produzinho os orientais em patchwork, numa releitura moderna e ousada do clássico. Esses tapetes são feitos com pedaços de peças novas e antigas de vários modelos diferentes. O da primeira foto passou por tingimento, lavagem e raspagem semelhantes ao de um jeans, resultando nesse efeito estonado lindo! Projeto de André Piva para Casa Cor RJ. / Projeto de Cláudia Zuppani. Foto: Edgard Cesar para Anual Design.

Os tapetes sintéticos, normalmente de nylon, são os mais usados atualmente e podem ser fabricados sob medida em diversos modelos e cores, por isso se adequam a qualquer ambiente e decoração. São os mais versáteis e os mais fáceis de limpar. Algumas marcas possuem ainda tratamentos antiácaros e pela facilidade de limpeza, essa é a melhor opção para os alérgicos. Projeto Solange Tannuri e Barbara Di Monaco. Foto site Casa.

Um dois efeitos mais bacanas que podem ser feitos nos tapetes de nylon é o relevo. Normalmente são tapetes de uma mesma cor, apenas com desenhos formados pelas diferenças na altura do pelo.  Ficam neutros e interessantes, combinando com qualquer estilo de decoração. Na primeira foto, projeto de Débora Aguiar para a Artefacto. Na segunda, tapete Avantti e foto site Casa.

São os preferidos para as decorações mais despojadas, no home theater ou na sala de TV, já que são confortáveis para pisar e até deitar, dão aconchego e ajudam a absorver o som. Evite colocar sobre eles móveis muito pesados, já que eles marcam com o tempo. Podem ser em nylon ou lã, lembrando que os primeiros juntam menos poeira. Foto: revista Casa Mix.

O couro já foi muito utilizado nos tapetes antigamente e voltou com tudo nas decorações contemporâneas. A textura do couro é macia e aconchegante e o material permite diversos usos e acabamentos. O modelo formado por quadrados costurados, como o da primeira foto, já virou um clássico. Projeto de Roberto Negrete, foto revista Casa Vogue. Na segunda foto, o desenho imita a calçada de Copacabana. Projeto Myrna Porcaro, foto revista DCasa. O modelo mais atual (e também mais usado antigamente) é o formato original, do corpo do animal, como o da terceira foto. Tenho visto esse modelo em diversas revistas nacionais e internacionais. Ele fica bonito quando usado solto no ambiente ou sob móveis que não o cubram totalmente. Foto blog a lifes design.

As fibras naturais mais usadas são o sisal e o seagrass. São ideais para decorações mais naturais ou rústicas. Podem vir na cor natural ou serem tingidos e também podem ser fabricados com mais de um tipo de fibra misturado, como sisal e lã, com um resultado bem interessante como o da primeira foto. Projeto de Olegário de Sá e Gilberto Cione, foto revista DCasa. / Projeto de David Bastos, foto revista Casa Vogue. /Projeto de Marli Viana e Valéria Leão, foto revista DCasa.

Tapetes estampados dão vida e personalidade à decoração e devem ser usados com sofás lisos, para não carregar a decoração. Devem ter o pelo baixo para que o desenho não perca a definição. Desenhos maiores e espaçados devem ficar sob mesas de centro transparentes – em vidro ou acrílico – para que a estampa fique em evidência.

Já se tornaram clássicos e têm a vantagem de permitir a mistura de vários tons, neutros e coloridos, sem pesar. Em ambientes estreitos eles devem ser usados com as listras perpendiculares ao comprimento, para dar a sensação do ambiente ser maior. Foto site Casa.

Normalmente os desenhos florais são delicados e deixam a decoração feminina. Os sintéticos permitem desenhos mais modernos. Na primeira foto as flores em bege contrastam com o fundo neutro. Na segunda os desenhos grandes e coloridos tomam conta da decoração. Fotos: Revista Casa e Jardim.

Os franceses Aubusson, caracterizados pelos tons suaves e florais delicados, estão muito em alta e são os mais procurados para decorações clássicas ou para suavizar ambientes mais modernos. Projeto: Cristina Menezes. Foto: revista Casa Vogue.

São uma grande tendência para a decoração os desenhos gráficos e repetidos, semelhantes aos desenhos de azulejos ou mosaicos. São elegantes e ao mesmo tempo deixam a decoração mais descontraída. Fotos: Desire to Inspire / revista Casa e Jardim.

Tapetes nem sempre são práticos, nem baratos de limpar e isso é um ponto importante, que deve considerar o local onde vai ser usado e seu estilo de vida. Para manter a vida útil das peças a manutenção é feita diariamente para não juntar pó, com aspirador no sentido das fibras. Outros cuidados devem ser tomados, como evitar a exposição ao sol e não deixar vasos com água e nem móveis muito pesados sobre eles. Manchas devem ser retiradas na hora, ainda molhadas e a lavagem depende da matéria prima. Na dúvida, o ideal é perguntar ao fabricante.

– Sintéticos ou de algodão são os mais fáceis de limpar, basta passar aspirador e um pano com água e sabão neutro, mesmo os de pelo alto.

– Os de couro e os orientais precisam ser lavados em empresas especializadas, pois necessitam de produtos e de secagem especial. Essa lavagem deve ser feita a cada dois anos, ou antes se a fibra estiver opaca.

– Os de fibras naturais podem ser varridos com vassoura de palha para limpezas rápidas, mas também precisam de produtos especiais e além disso precisam ser impermeabilizados antes do uso, já que mancham com facilidade.  

Fontes para o texto: Triedro, site Casa e Jardim, site Casa, Eu decoro.

.

+ sobre tapetes aqui

.

Comente Aqui (79)

2 closets

por Mariana Lombardi - 06 de janeiro de 2011

Veja também:

 Mais um closet bem organizado / o closet da Blair e da Carrie

Como arrumar os sapatos

Comente Aqui (7)

Assim eu gosto

por Cris Campos - 07 de maio de 2010

Fim de semana chegando… Que tal um cantinho pra relaxar, descansar, ler um livro ou jogar conversa fora?

Com pé-direito bem alto, os janelões são o ponto forte desse espaço. As cortinas fininhas deixam a luz passar translúcida e não fecham totalmente a visão de fora. Adoro a idéia do banco de madeira passando por toda a extensão do ambiente. Serve para sentar ou para decorar.Também adoro a parede ao fundo com uma texturinha que lembra cimento queimado (ou terracor). O quadro com paspatour enorme (aquele acabamento branco entre a moldura e a figura) foi deixado apoiado, o que contribui para a decoração ficar mais descontraída. O piso em tábuas de madeira é o responsável por deixar o clima mais aconchegante, assim como o tapete de lã. O colchão no chão é pra se jogar! Simples, despojado e lindo!

Um bom livro ou uma boa companhia e o fim de semana está garantido!

Foto do catálogo da Luxaflex.

Comente Aqui (3)