ladrilho hidraulico | assim eu gosto
Cozinha cinza
Postado Por - 12 de agosto de 2013

Cozinha linda e original em tons de cinza + madeira + amarelo. O cinza foi usado no piso, bancadas, paredes e armários, num rico mix de materiais e texturas.

Apartment-LA-David-Guerra-12-kitchen-600x399Na área da cozinha propriamente dita, o piso é de porcelanato, as bancadas de silestone e os armários de vidro cinza.

Apartment-LA-David-Guerra-11-kitchen-600x406A bancada do fogão divide a cozinha da copa. Enquanto na cozinha foram usados somente materiais frios, a copa recebeu mesa de madeira de demolição e uma parede revestida com ladrilho hidráulico.

Apartment-LA-David-Guerra-10-kitchen-600x399Esse outro ângulo da copa mostra a parede de ladrilho hidráulico com desenhos florais. Gostei também das portas de tábuas de madeira. Projeto David Guerra via Design Milk.

+ cozinhas





Lavabos 1
Postado Por - 13 de setembro de 2010

O lavabo é considerado um cartão de visitas e fica mais interessante quando a sua decoração está em sintonia com o estilo da casa, principalmente o da sala. Por serem, na sua maioria, espaços muito pequenos, pode-se ousar um pouco mais e/ou optar por acabamentos mais nobres.

Fizemos uma seleção de lavabos bonitos, com boas idéias de aproveitamento de espaço e acabamentos atuais. Inspire-se!

1- Bancada tipo faixa em mármore com parede revestida em madeira e espelho com iluminação embutida. Projeto Bia Leite e Gabriela de Moraes. / 2- Piso e cuba em mármore com bancada em madeira pau-ferro. A parede toda revestida em espelho aumenta a sensação de amplitude. Projeto Carmen Mansor, Fernando Azevedo e Tiza Kann.

3- A parede de mosaico de pedras em tons de bege e o porcelanato com textura de couro aplicado atrás do vaso valorizaram muito esse lavabo.  Projeto Flávia Portela. / 4- A divisória em mármore igual à bancada escondeu o vaso e valorizou ainda mais o lavabo que tem as paredes revestidas em seda bege acinzetada. Projeto de Marco Aurélio Viterbo.

5- Espelho instalado a 6 cm da parede para receber iluminação embutida de lâmpadas fluorescentes amarelas. Foto revista Casa e Jardim. / 6- Cuba esculpida num bloco único de mármore branco e fixada num painel de madeira escura. A bancada foi substituída por uma prateleira em mármore com toalheiro fixado. Projeto Marcelo Rosset.

7- Banheiro moderno com bancada em cimento queimado com iluminação embutida. O espelho está na frente da janela, por isso tem abas laterais com dobradiças para não eliminar a luz natural. Projeto Simone Tasca. / 8- Banheiro com espelho vertical e paredes em pastilha chumbo combinando com o piso. Foto Made by girl.

9- Lavabo sofisticado com bancada moldada numa tora de ipê maciço. (Detalhe maravilhoso, né Rê?! ) Na parede, pintura acrílica acetinada grafite e faixa de espelho presa num compensado. Projeto Erick Figueira de Mello. /10-  Cuba em limestone com espelho veneziano e paredes cinza. Sóbrio e elegante! Projeto Antonio Ferreira Jr. e Mario Celso Bernardes.

11- Parede feita com blocos de granito que foram retirados do terreno durante a obra e cuba e granito preto. Projeto Patricia Fendt e Washington Fajardo. / 12- Esse lavabo é cheio de detalhes! A parede revestida em pedra portuguesa vem da garagem e serve de apoio para o espelho. A bancada é um tronco de freijó com cuba recortada e a torneira é um duto de inox que sai do teto. O piso é em mármore travertino bruto e o jardim tem seixo rolado branco. Projeto José Ricardo Basiches.

13- Lavabo de uma casa de campo em MG, com ladrilhos hidráulicos atrás da bancada que lembram o desenho de um rendilhado.  Projeto David Guerra. / 14- Bancada rústica em madeira e apenas a parede lateral trabalhada. Foto Revista Casa e Jardim.

CONTINUA AQUI





Casa Tangram – Brasília
Postado Por - 14 de agosto de 2010

Essa casa de 320 m², localizada em um condomínio de Brasília, teve suas proporções inspiradas no Tangram, um quebra-cabeça do século XVIII de origem chinesa, em que formas geométricas possibilitam a formação de diversas figuras. O resultado foi uma volumetria ao mesmo tempo simples e original, o que torna esse projeto tão interessante. Os responsáveis são os arquitetos e nossos queridos amigos Henrique Coutinho, Daniel Mangabeira e Matheus Seco, do escritório DOMO Arquitetos Associados e está concorrendo ao Prêmio “O melhor da Arquitetura”, da revista Arquitetura & Construção, na categoria Residência Urbana de 200 a 500m2.  Que orgulho… eles merecem!

Seguindo o pedido dos clientes, a casa possui 2 volumes interligados. O primeiro tem dois pavimentos, e abriga 3 quartos, escritório, sala, cozinha e copa integrada, além da área de serviço. O segundo volume é térreo e contém uma estrutura para hóspedes com entrada independente. Entre os dois, uma grande varanda integrada à churrasqueira também pode abrigar a coleção de veículos antigos dos moradores. No fundo do terreno, na parte mais baixa, fica uma garagem com oficina. A fachada principal possui um volume revestido em madeira, que abriga o escritório. O projeto ainda levou em consideração a inclinação do terreno, a orientação solar, a possibilidade de reutilização de água de chuva e a otimização da iluminação e ventilação naturais.

A porta principal foi executada em vidro translúcido, dando privacidade ao interior da fachada voltada para a rua, mas sem impedir a entrada de luz natural.

Em cima do segundo pavimento, o volume triangular abriga as caixas d´água e os reservatórios superiores de águas pluviais. Segundo os arquitetos, esta água é armazenada em um reservatório subterrâneo na parte mais baixa do terreno para depois ser bombeada para os reservatórios superiores e utilizada para irrigação de jardins e descarga dos sanitários.

Cobrindo os volumes térreos, um grande terraço se abre para a vista de uma área de proteção ambiental que fica nas redondezas do condomínio. O piso foi coberto com argila expandida.

A varanda/garagem é o ponto central da casa e se abre para o quintal. Ao fundo fica a churrasqueira, cujo balcão foi revestido com ladrilhos hidráulicos coloridos.

A fachada voltada para o Noroeste é revestida por cobogós de diversos padrões, que foram comprados de uma demolição e reaproveitados neste projeto. Esse material, por ser vazado, permitiu a ventilação cruzada em toda a extensão do térreo da casa, e fez um contraponto com o desenho moderno das fachadas.  A noite, a iluminação de baixo pra cima valoriza o material e o efeito é lindo! 

A escada possui aberturas zenitais para a entrada de iluminação e ventilação naturais. / A porta de vidro é protegida pela esquadria de madeira, composta por brises que bloqueiam o sol em determinados horários do dia.

Planta baixa do Térreo.

Planta do primeiro pavimento.

*Gostou??? Vote no prêmio “O melhor da Arquitetura” aqui!

Veja mais projetos de casas aqui.





Restaurante em São Paulo
Postado Por - 03 de abril de 2010

Este é o restaurante Dalva e Dito, dos famosos chefs Alex Atala e Alain Poletto, localizado nos Jardins.  O conceito do restaurante é resgatar a culinária colonial brasileira, resgatando o clima das reuniões de famílias em volta da mesa da cozinha para conversar e saborear a comida farta. Este foi o ponto de partida para o projeto , concebido pelo designer de interiores Marcelo Rosenbaum, que passou uma semana na cidade mineira de Ouro Preto pesquisando as construções, a relação entre suas medidas, e observando as características dos espaços públicos da era colonial. O resultado foi essa linda releitura contemporânea do estilo colonial brasileiro.

No primeiro plano o terraço, que  integra-se ao salão principal por meio de grandes aberturas. Aqui aparecem influências da arquitetura moura, trazidas ao Brasil pelos portugueses na era colonial. Entre elas estão o painel de Athos Bulcão (ao fundo), executado com cerâmica branca e azul e os muxarabis nos fechamentos laterais e na cobertura do terraço. Eles deixam vazar uma luz filtrada, contribuindo para a atmosfera leve e agradável do espaço.

A iluminação suave em tom amarelado cria ambientação intimista no salão principal. As mesas foram confeccionadas com sobras de pisos de demolição, assim como o balcão do bar, com tampo de peroba maciça. As cadeiras de palhinha fazem uma referência direta à casa grande das fazendas. O contraponto ao cenário artesanal fica por conta da cozinha high tech, planejada pelo chef Alain Poletto e separada do salão principal por grandes panos de vidro que permitem ver toda a movimentação dos funcionários e todos os equipamentos.

No subsolo, onde forro e paredes foram revestidos por painéis melamínicos no padrão freijó, o destaque fica para os grafites de Derlon Almeida. Aqui foram dispostos o lounge e a grande mesa comunitária sob uma linha de luminárias antigas. Adoro esse recurso, o efeito é lindo.

Na decoração, elementos artesanais formam um rico conjunto de informações que valoriza a cultura popular brasileira. Um painel em laminado de madeira freijó serve de fundo ao itens que pertenciam ao acervo pessoal de Rosenbaum e incluem ex-votos, fragmentos, artefatos indígenas, peças cerâmicas, objetos vindos da cidade pernambucana de Caruaru. O piso em ladrilho hidráulico, formando lindos tapetes, foi outro responsável pela referência colonial.

As dimensões permitiram a divisão fluida e funcional da área em térreo com bar, salão principal e terraço integrado, além de subsolo com lounge e mais um bar – somados, eles oferecem cerca de 250 lugares. A linguagem artesanal caracteriza a construção e os interiores, começando pelas paredes de aspecto rústico, em composição harmoniosa com o piso de ladrilhos hidráulicos. Elas foram executadas por jovens de grupos de risco social, capacitados pelo Instituto Arapoty para trabalhar com o superadobe, técnica de baixo custo surgida na Índia nos anos 1970 e aparecem tambem na fachada. Na outra lateral, uma caixa formada pelos muxarabis delimita o amplo terraço.






Diariamente, recebemos vários comentários e emails pedindo dicas ou soluções para algum detalhe específico. Tentamos responder à maioria, mas é impossível atender a todos imediatamente. Então, se você deixou algum recadinho por aqui, ele será respondido ou um post será feito pra deixar tudo bem explicado!